logo-academia-site
logo-academia02
  • Slide 03
  • Slide 02
  • Slide 01
  • Slide 04

elizabeth-madureira-siqueira

Elizabeth Madureira Siqueira

Biografia

Nasceu na cidade paulista de Franca, aos 16 de agosto de 1947, descendendo de dois eméritos professores, Norma Mussi Madureira e João Madureira.

Seus estudos, do primário ao superior, foram realizados em escolas públicas de sua terra natal, diplomando-se em História pela Universidade Estadual Júlio de Mesquita – Unesp, no ano de 1969.

O mestrado foi cursado junto à Universidade de São Paulo, área de História Social, defendendo a dissertação intitulada A Rusga em Mato Grosso: edição crítica de documentos históricos.

Doutorou-se na área da História da Educação, junto ao Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal de Mato Grosso – PPGE/UFMT, versando sobre o estudo das origens da escola pública em Mato Grosso, sob o título de Luzes e Sombras: modernidade e educação pública em Mato Grosso (1870-1889), publicada.

Atividades Profissionais

Ingressou no magistério na década de 1960, em sua terra natal, onde lecionou disciplinas de música no Conservatório Musical Jesus Maria José, onde se formou em Música e piano.
De Franca, no ano 1970, mudou-se para São Paulo, capital, logo após o casamento ocorrido em janeiro do mesmo ano. Na pauliceia, prosseguiu nos seus trabalhos didáticos, lecionando História e Música junto às redes pública e privada de ensino de São Paulo, capital.
Após seis anos de atuação docente, veio para Mato Grosso no ano de 1976, engajando-se na Universidade Federal de Mato Grosso, com vinculação no Departamento de História, na área de ensino, e também ao Núcleo de Documentação e Informação Histórica Regional – NDIHR, na pesquisa, instituição que dirigiu mais tarde, por quatro anos.
Em Mato Grosso, pode se especializar na área de Informação e Documentação Histórica e tambémem Preservação e Divulgação do Patrimônio Documental, oferecidos pela UFMT.
Coordenou, de 2005 a 2010, a Editora Universitária – EdUFMT, experiência que lhe foi muito gratificante.
Mesmo aposentada pela UFMT, não deixou de colaborar com a Instituição, seja desenvolvendo pesquisa ou atuando no âmbito da pós-graduação. É professora colaboradora do Programa de Pós-Graduação em Educação – PPEG e integra o Grupo de Pesquisa Educação e Memória, assim como o Projeto Centro Memória Viva, ambos do citado Programa de Pós-Graduação. No interior do PPGE/UFMT co-orienta e integra bancas de qualificação e defesa, tanto de mestrado quanto de doutorado.
No interior do trabalho de preservação da memória histórica de Mato Grosso, oferece seus conhecimentos nas suas atividades como Curadora da Casa Barão de Melgaço, no arranjo, catalogação e divulgação de documentos que integram acervos Institucionais e privados (de ex-sócios da AML e do IHGMT), além de cuidar e atualizar o acervo da Biblioteca e Hemeroteca institucional.

Filiação a Instituições

Membro efetivo do Instituto Histórico e Geográfico de Mato Grosso e da Academia Mato-Grossense de Letras. Desde 2006 integra, como titular e hoje suplente, o Conselho Diretor da UFMT, sócia efetiva da Sociedade Amigos de Rondon e membro da Sociedade Brasileira de História da Educação.

Projetos de Pesquisa

2010 – 2014

Grupo de Pesquisa Centro Memória Viva do Centro-Oeste – Seção Mato Grosso

Descrição: O projeto objetiva, em âmbito nacional, proceder a um levantamento, organização e digitalização de fontes, assim como produção de conhecimento sobre Movimentos sociais e educação, com centralidade no EJA. Nossa participação (Mato Grosso) integra o grupo da Região Centro-Oeste.

2013-2014

Descrição: o projeto, que tem como pressuposto a democratização do conhecimento sobre a produção bibliográfica de Mato Grosso, oferecendo virtualmente ao público escolar e pesquisador um volume substantivo de livros e artigos concernentes ao cenário regional, de autoria de estudiosos que investigaram sobre Mato Grosso, tornando-o mais conhecido e, consequentemente amado.

Bibliografia

Publicações

Publicou diversos artigos editados em periódicos de Mato Grosso e nacionais.
Em obra coletiva integrou, com o verbete Padre Ernesto Camilo Barreto, o Dicionário de Educadores no Brasil, por Mato Grosso, publicado pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, com o apoio do INEP/Compede, em 2002. Outro trabalho coletivo foi uma publicação organizada pelos Profs Drs. José G. Gondra e  Omar Schneider, sob o título de Educação e Instrução nas Províncias e na Corte Imperial (Brasil, 1822-1889), colaborando com um balanço da historiografia da educação no Império, em Mato Grosso. A obra foi lançada no Seminário Brasileiro de História da Educação, em Vitória, publicado pela Universidade Federal do Espírito Santo, em 2011.

Em livro:

  • O Processo Histórico de Mato Grosso (1989), em coautoria com Lourença Alves da Costa e Kátia M. C. Carvalho);
  • Revivendo Mato Grosso (1997);
  • Educação e Memória: Catálogo de documentos relativos à história da educação de Mato Grosso (período Imperial) (1998, coautoria com Nicanor Palhares Sá);
  • Catálogo das Revistas do Centro Mato-Grossense de Letras e da Academia Mato-Grossense de Letras (1999);
  • Luzes e Sombras: modernidade e educação pública em Mato Grosso: 1870-1889 (2000);
  • Leis e Regulamentos da Instrução Pública do Império em Mato Grosso (2000), coautoria com Nicanor Palhares Sá);
  • História de Mato Grosso: da ancestralidade aos dias atuais. (2002);
  • Memória da Igreja em Mato Grosso: o arquivo da Cúria Metropolitana de Cuiabá: catálogo de documentos históricos (2002, co-autoria com Maria Adenir Peraro e Sibele de Moraes (2002);
  • Catálogo acervo Prof. João Mariano de Oliveira (2004, co-autoria com Maria Adenir Peraro);
  • Trajetória do Tribunal de Justiça de Mato Grosso: 130 anos. (2005);
  • Cronologia Histórica: comemorando os 35 anos da UFMT (2005);
  • Cuiabá: de vila a metrópole nascente em co-autoria com diversos autores (2006);
  • Lembranças de professores e alunos mato-grossenses: 1930-1950 (2007), co-autoria com Nicanor Palhares Sá e Marlene Gonçalves);
  • Ministério Público do Estado de Mato Grosso: trajetória histórica, em coautoria com Paião (2009);
  • Evolução Histórica da Justiça Eleitoral Mato-Grossense – 78 anos (1932-2010) (2012);
  • Universidade Federal de Mato Grosso: 40 anos de contribuição para Mato Grosso (1970-2010) (2012);
  • Tributo de Cuiabá a Edgard Vieira (2012);
  • Evolução Histórica da Secretaria de Estado de Fazenda de Mato Grosso (1919-2014) (2014);
  • Jubileu de Ouro do Corpo de Bombeiros Militar de Mato Grosso (2014)

Livros organizados

1. SIQUEIRA, E. M., BARBOSA, F. M. M., SOUZA, S. C. S., MOREIRA, V. P. Cronologia Histórica: comemorando os 35 anos da UFMT. Cuiabá / MT : Editora da UFMT - EdUFMT, 2005
2. SIQUEIRA, E. M., PERARO, M. A., ITACARAMBY, R. V.
Catálogo acervo Prof. João Mariano de Oliveira. Cuiabá - MT : EdUFMT, 2004, v.500. p.251.
3. SIQUEIRA, E. M.
Preservando o patrimônio cultural: a Casa Barão de Melgaço. Cuiabá - MT : , 2004
4. SIQUEIRA, E. M. PERARO, M.
A Memória da Igreja em Mato Grosso: o arquivo da Cúria Metropolitana de Cuiabá - catálogo de documentos históricos. Cuiabá / MT : Entrelinhas, 2002, v.1. p.255.
5. SIQUEIRA, E. M.
Catálogo das Revistas do Centro Mato-Grossense de Letras e da Academia Mato-Grossense de Letras. Cuiabá : Academia Mato-Grossense de Letras, 1999 p.67.
6. SIQUEIRA, E. M., Nicanor Palhares Sá
Educação e Memória: Catálogo de documentos relativos à história da educação de Mato Grosso (período Imperial). Cuiabá : EdUFMT, 1998 p.450

Capítulos de livros publicados

1. SIQUEIRA, E. M.; ABREU, Sandra Elaine Aires de. Educação e instrução nas Províncias de Goiás e Mato Grosso. In: José Gondra; Omar Schneider. (Org.). Educação e Instrução nas províncias e na Corte imperial (1822-1889). 1ed.Vitória-ES: Editora da Universidade Federal do Espírito Santo, 2011, v. 3, p. 377-398.
2. ALENCASTRO, A. ; FRAGA, Leila Miguel; SIQUEIRA, E. M.Resgate do processo de ocupação de terras no Brasil e em Mato Grosso. In: Lais Aparecida Machado; Leila Miguel Fraga. (Org.). História e Antropologia no Vale do Rio Manso (MT). 1ªed.Goiânia: Universidade Católica de Goiás, 2006, v. , p. 43-134.
3. SIQUEIRA, E. M. Ernesto Camilo Barreto. In: Maria de Lourdes de Albuquerque Fávero; Jader de Medeiros Britto. (Org.). Dicionário de Educadores no Brasil: da colônia aos dias atuais. 1ªed.Rio de Janeiro: INP/COMPED/UFRJ, 2002, v. 1, p. 306-315.

Insígnias

2014 - Medalha do Cinquentenário do Corpo de Bombeiros militar de Mato Grosso
2010 - Personalidade homenageada nos 40 anos da UFMT, Universidade Federal de Mato Grosso
2005 - Moção de Louvor, Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso
2004 - Indicação da obra História de MT, da ancestralidade aos dias atuais, pela Assembleia Legislativa de MT, Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso
2004 - Madrinha da Biblioteca Pública "Estevão de Mendonça", Governo do Estado de Mato Grosso/Secretaria de Estado de Cultura
2004 - Membro do Conselho Diretor da Fundação Universidade Federal de Mato Grosso, Ministério da Educação e Cultura
2003 - Homenagem Projeto Cuiabanidade, Colégio Master - Cuiabá
2003 - Moção de Aplauso, Câmara Municipal de Cuiabá
2003 - Mulher da Cultura, Secretaria Municipal de Cultura de Cuiabá
2002 - Troféu Rosa Choque, Jornal Rosa Choque
2001 - Comenda "Memória do Legislativo", Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso
2000 - Cidadã Mato-grossense, Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso e Cidadã Cuiabana
2000 - Mulher Cultura, Governo do Estado de MT - Secretaria de Estado de Cultura
2000 - Troféu A Crítica - Diploma Mérito Rondon, Jornal "A Crítica" - Cuiabá - MT
1998 - Benemérita da Cultura, Casa da Memória Arnaldo Estevão de Figueiredo

Últimas Fotos

Show de Samba na Varanda da AML
A Academia Mato-grossense de Letras recebeu mais de 300 convidados para o show de música popular brasileira.

 

Novos Acadêmicos
Jantar em comemoração a eleição dos quatro novos acadêmicos que assumirão as cadeiras vagas da AML.

titulo historia em imagens

jose-de-mesquita

José de Mesquita

Esse é José de Mesquita, fundador da Academia Mato-Grossenses de Letras. Mesquita era filho do jurista, abolicionista de mesmo nome. Foi desembargador e dirigiu o Tribunal de Mato Grosso por 10 anos, assim como a própria AML por 40 anos. Com uma produção surpreendente, correspondeu-se com outras instituições culturais e academias de letras pelo Brasil.

blog-pedro-juca