logo-academia-site
logo-academia02
  • Slide 03
  • Slide 02
  • Slide 01
  • Slide 04

fernando-tadeu-de-miranda-borges

Fernando Tadeu de Miranda Borges

Biografia

Nasceu em Cuiabá e descende de João de Campos Borges e Aída de Miranda Borges.

Fez o Curso Primário no Grupo Escolar Senador Azeredo e em seguida foi aprovado no Curso de Admissão, ingressando no Ginásio Industrial, na antiga Escola Técnica Federal de Mato Grosso, Curso Técnico em Estradas, concluindo o segundo grau no Colégio São Gonçalo. Na Universidade Federal de Mato Grosso, bacharelou-se em Ciências Econômicas (1980), prosseguindo os estudos no âmbito da pós-graduação, com especialidade em Economia Agrária pela FE/UFMT e em Economia Regional e Urbana pela FEA/USP. Tornou-se Mestre em Economia pela FEA/USP e Doutorou-se em História Social pela FFLCH/USP.

Sua carreira docente teve início no ano de 1981, na atual Faculdade de Economia da UFMT. Orientador de monografias de graduação, dissertações de mestrado e teses de doutorado junto ao Curso de Ciências Econômicas e a dois Programas de Pós-Graduação stricto senso – Agronegócios e Desenvolvimento Regional e História.

Na Universidade Federal de Mato Grosso, ocupou o cargo de coordenador da Editora Universitária, entre os anos de 1992 e 1998, e foi o primeiro diretor da Faculdade de Economia, entre 2008 e 2012.

Foi merecedor das seguintes insígnias:

Medalhas Caio Prado Júnior em Prol da Editoração Cultural; Manoel Cavalcanti Proença; Cândido Mariano da Silva Rondon; Peregrino Júnior; Couto de Magalhães, conferidas pela União Brasileira de Escritores do Rio de Janeiro (UBE/RJ); Medalha dos 25 anos da UFMT; Medalha de Gratidão e Reconhecimento conferida pelo Curso de Ciências Contábeis da UFMT, na comemoração dos 40 anos do Curso, e o Diploma de Mérito Cultural. Moções de Aplauso e comendas conferidas pela Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso e pela Câmara Municipal de Cuiabá. Certificado de Honra ao Mérito conferido pela UFMT pelos trabalhos realizados em prol da Editora Universitária (2011), além de muitos outros.

Integra os quadros das seguintes Entidades: Associação Brasileira de Pesquisadores em História Econômica (ABPHE), Sociedade de Amigos de Rondon, Instituto Histórico e Geográfico de Mato Grosso (IHGMT) e Conselho Regional de Economia de Mato Grosso.

Conselheiro: Revista Eletrônica Documento/Monumento, do NDIHR/UFMT, Revista de Estudos Sociais da Faculdade de Economia da UFMT, Revista do Instituto Histórico e Geográfico de Mato Grosso, além de Consultor da Revista Eletrônica História em Reflexão, da Universidade Federal da Grande Dourados.

Bibliografia

Dentre suas múltiplas produções, podem ser destacados os trabalhos:

  • Do Extrativismo à Pecuária: algumas observações sobre a História Econômica de Mato Grosso (1870-1930), lançado em 1991;
  • Economia Brasileira: Posições Extremas, lançado em 1991;
  • Esperando o Trem: Sonhos e Esperanças de Cuiabá, publicado em 2005, livro que recebeu, da União Brasileira de Escritores, do Rio de Janeiro, o Prêmio Antônio Vieira dos Santos, em 2006, e inspirou a Escola de Samba Estação Primeira de Mangueira no desevolvimento do enredo em homenagem a Cuiabá;
  • Prosas com Governadores de Mato Grosso (1966-2006), publicada em 2007;
  • Prosas com Reitores e Reitoras da UFMT (1970-2010), material publicado em 4 DVDs, integrando as comemorações dos 40 anos da UFMT;
  • “Tempos Idos. Tempos Vividos. Crônicas do Coronel Octayde Jorge da Silva”, lançado em 2014;
  • Organização de diversas coletâneas na área da História.

 

Últimas Fotos

Show de Samba na Varanda da AML
A Academia Mato-grossense de Letras recebeu mais de 300 convidados para o show de música popular brasileira.

 

Novos Acadêmicos
Jantar em comemoração a eleição dos quatro novos acadêmicos que assumirão as cadeiras vagas da AML.

titulo historia em imagens

jose-de-mesquita

José de Mesquita

Esse é José de Mesquita, fundador da Academia Mato-Grossenses de Letras. Mesquita era filho do jurista, abolicionista de mesmo nome. Foi desembargador e dirigiu o Tribunal de Mato Grosso por 10 anos, assim como a própria AML por 40 anos. Com uma produção surpreendente, correspondeu-se com outras instituições culturais e academias de letras pelo Brasil.

blog-pedro-juca