logo-academia-site
logo-academia02
  • Slide 03
  • Slide 02
  • Slide 01
  • Slide 04

amini-haddad-campos

Amini Haddad Campos

Biografia

Nasceu em Cuiabá-MT, aos 17 de fevereiro de 1974, descendendo de  Zamil Siqueira Campos e Misudy Pires Siqueira Campos.
Concluiu o curso fundamental, em 1988, na Escola de 1º Grau Notre Dame de Lourdes; o médio no Colégio São Gonçalo, em 1991.
Mestre em Direito Constitucional pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro – PUC/RJ.
Doutoranda em Direitos Humanos pela Universidade Católica – UCSF (Argentina).
Especialista em Direito Civil, Processo Civil,Direito Penal, Processo Penal, Direito Administrativo, Constitucional e Tributário – Universidade Cândido Mendes - RJ. Graduada.

Atividades Profissionais

Juíza de Direito do Poder Judiciário do Estado de Mato Grosso.
Professora e Orientadora de Cursos de Pós-Graduação.
Palestrante na temática de Direitos Humanos e Sistemas de Justiça no Brasil.
Coordenadora de Direitos Humanos da Escola da Magistratura do Estado de Mato Grosso.

Filiação a Instituições

Membro da Comissão de Direitos Humanos da AMB.
Membro da Academia Mato-Grossense de Letras (AML) e da Academia Mato-Grossense de Magistrados (AMA).
Diretora Cultural da Academia Mato-Grossense de Magistrados – AMA. Membro da Associação Internacional de Juízas (International Association of Women Judges – IAWJ) e da Associação Nacional de Magistradas. Membro da Associação Juízes para a Democracia – AJD. Associada e Presidente do Conselho Administrativo da Associação Mato-Grossense de Magistrados – AMAM. Autora de Projetos Nacionais na temática de Gênero, tais como Condição da Mulher, Violência Doméstica e Lei Maria da Penha.

Bibliografia

Autora de inúmeros artigos jurídicos nacionais e de vários livros, tais como:

  • O devido processo proporcional (Ed. Lejus-SP)
  • Violência Doméstica (Ed. Lumen Juris - 2008)
  • Transformações no Direito Constitucional (Ed. Escola), estes dois em co-autoria com diversos juristas e cientistas nacionais
  • Direitos Humanos das Mulheres (Ed. Juruá-Curitiba), com a combativa e competente promotora de Justiça, Dra. Lindinalva Rodrigues Corrêa – MP/MT.

maria-benedita-deschamps-rodrigues

Maria Benedita Deschamps Rodrigues (Dunga Rodrigues)

Biografia

Nasceu em Cuiabá-MT, aos 15 de julho de 1908, tendo sido seus pais Firmo José Rodrigues e Maria Rita Deschamps Rodrigues. Os primeiros estudos foram cursados junto ao tradicional Asilo Santa Rita, como externa, e em seguida na Escola Modelo Barão de Melgaço. O ensino médio foi no Liceu Cuiabano.

Diplomou-se em piano e harmonia pelo Conservatório Musical de Mato Grosso e pelo Conservatório Brasileiro de Música (RJ), com certificado registrado junto ao Instituto Villa Lobos.

Diplomou-se contadora pela Escola Técnica de Comércio de Cuiabá.

Lecionou piano durante muitos anos junto ao Conservatório Mato-grossense de Música e no Conservatório Musical de Mato Grosso, atuando como pesquisadora na Universidade Federal de Mato Grosso, onde, pelos seus conhecimentos sobre a cultura e musicalidade regional, foi admitida como Agente Didático no Núcleo de Documentação e Informação Histórica Regional da mesma instituição.

Membro efetivo do Instituto Histórico e Geográfico de Mato Grosso.

Faleceu na cidade litorânea de Santos-SP, no dia 8 de janeiro de 2001.  Seu corpo foi cremado e as cinzas trazidas para Cuiabá e depositadas no Cemitério do Porto de Cuiabá, ao lado de seu pai, Firmo José Rodrigues.

Nessa ocasião, a Casa Barão de Melgaço solicitou a doação de seu acervo para o Arquivo institucional, o que feito pela família. Hoje, a biblioteca, papéis, fotografias, móveis e objetos que pertenceram à família Rodrigues (Firmo e Dunga) já se encontram organizados, catalogados e aguardando digitalização.

Bibliografia

Publicou as seguintes obras:

  • Uma aventura em Mato Grosso (1984),
  • Reminiscências de Cuiabá, em comemoração aos 250 anos de Cuiabá,
  • Marphysa, romance folclórico cuiabano,
  • Os Vizinhos (1977), na coleção Cadernos Cuiabanos, n. 3,
  • Cuiabá: roteiro de lendas, pela UFMT, em 1984,
  • Memória Musical da Cuiabania (em 4 volumes),
  • Lendas de Mato Grosso,
  • Cuiabá ao longo de cem anos (1995), em co-autoria com Maria de Arruda Müller
  • Colcha de Retalhos (1990),
  • Movimento musical em Cuiabá, 2000.

antonio-cesario-de-figueiredo-neto

Antônio Cesário de Figueiredo Neto

Biografia

Nasceu em Cuiabá, no dia 30 de outubro de 1902, descendendo de João Lourenço de Figueiredo e Francisca Isabel de Figueiredo.

Estudou o nível médio no Liceu Cuiabano e a Faculdade de Direito no Rio de Janeiro, mas abandonou-a no 2º ano para se dedicar ao estudo de línguas, como autodidata.

Na sua vida profissional, foi professor catedrático de Psicologia Educacional, na Escola Normal Pedro Celestino; de Línguas Portuguesa, Espanhola e Latim, no Liceu Cuiabano; de Literatura Portuguesa e de Literatura Brasileira, na Faculdade de Ciências de Campinas e na Universidade Católica de São Paulo; de Língua Portuguesa, Francês e Latim, no Ginásio Brasil; de Linguística, na Universidade Federal de Mato Grosso, Departamento de Letras. Lecionou particularmente Língua Alemã, que falava fluentemente, conhecendo profundamente todos os meandros do dialeto germânico.

Faleceu no dia 9 de maio de 1979.

Bibliografia

Publicou as seguintes obras:

  • O Étimo do Preto,
  • Uma Etimologia Incerta –O Verbo Deixar,
  • O Infinito Pessoal e Impessoal,
  • Na Pista do Rocinante,
  • Do Cruzamento Sintático na Língua Portuguesa,
  • O Topônimo: Barra do Bugres,
  • Formação de Palavras
  • O Sentido Linguístico e Social de Camões.

 

 

Últimas Fotos

Show de Samba na Varanda da AML
A Academia Mato-grossense de Letras recebeu mais de 300 convidados para o show de música popular brasileira.

 

Novos Acadêmicos
Jantar em comemoração a eleição dos quatro novos acadêmicos que assumirão as cadeiras vagas da AML.

titulo historia em imagens

jose-de-mesquita

José de Mesquita

Esse é José de Mesquita, fundador da Academia Mato-Grossenses de Letras. Mesquita era filho do jurista, abolicionista de mesmo nome. Foi desembargador e dirigiu o Tribunal de Mato Grosso por 10 anos, assim como a própria AML por 40 anos. Com uma produção surpreendente, correspondeu-se com outras instituições culturais e academias de letras pelo Brasil.

blog-pedro-juca