logo-academia-site
logo-academia02
  • Slide 03
  • Slide 02
  • Slide 01
  • Slide 04

d-francisco-de-aquino-correa

D. Francisco de Aquino Corrêa

Biografia

Nasceu em Cuiabá-MT, no dia 2 de abril de 1885, descendendo de Tomás de Aquino Corrêa e de Maria d’Aleluia de Aquino Corrêa.

Seus primeiros estudos foram feitos em sua terra natal, junto ao Colégio Salesiano São Gonçalo.

Sua vida sacerdotal teve início no Noviciado dos Padres Salesianos de Dom Bosco, no Coxipó da Ponte, sagrando-se no dia 19 de março de 1903. Em junho do mesmo ano submeteu-se a uma banca examinadora do Liceu Cuiabano, visando à revalidação de seus estudos, tendo sido aprovado com brilhantismo.

Aos 2 de julho de 1904, seguiu para Roma, matriculando-se na Academia de Santo Tomás de Aquino e na Universidade Gregoriana, doutorando-se nas duas instituições.

Sagrado Presbítero em Roma, no dia 17 de janeiro de 1909, celebrou missa na Basílica de São Pedro.

Retornou ao Brasil em 1909, chegando a Cuiabá no dia 2 de junho de 1910.

Lecionou as disciplinas Língua Portuguesa, Latim e História junto ao Liceu Salesiano São Gonçalo. Dirigiu, entre 1912-1914, o mesmo estabelecimento de ensino.

De mente privilegiada, Dom Aquino é reverenciado e lembrado como um dos grandes poetas e o maior orador do país, à época.

Com apenas 29 anos de idade, foi nomeado, pelo Papa Pio V, Bispo titular de Prusíade, consagrando-se a 1º de janeiro de 1915, na Catedral Metropolitana de Cuiabá, ocasião em que adotou oficialmente o nome de Dom Francisco de Aquino Corrêa.

No campo da política, assumiu a Presidência do Estado de Mato Grosso, em 1917, com apenas 32 anos, quando o momento político exigia um governante ponderado e com feições apartidárias, daí seu período governamental ter sido qualificado de conciliador. Durante seu governo criou o Brasão de Armas de Mato Grosso, inaugurou o serviço de iluminação elétrica da Capital, introduziu os primeiros automóveis em Cuiabá, comemorou o bicentenário de fundação da Capital; instalou o Instituto Histórico de Mato Grosso (08/04/1919), instituição que presidiu por trinta e sete anos.  Foi sócio fundador e Honra do Centro Mato-Grossense de Letras (1921)

Foi elevado ao posto de Arcebispo de Cuiabá, pelo Papa Bento XV, aos 16 de abril de 1922, quando contava com 37 anos de idade.

Em 9 de dezembro de 1926, foi eleito membro da Academia Brasileira de Letras, na vaga deixada por Lauro Müller. Sua posse foi muita concorrida e contou com a presença do Presidente da República Washington Luis e de vários Ministros de Estado.

No ano de 1938 foi nomeado para representar o Brasil na VII Conferência Internacional de Instrução Pública, em Genebra.

No ano de 1951 exerceu a função de Embaixador Plenipotenciário e Extraordinário do Brasil, junto à República do Uruguai.

No ano 1952, no bojo das comemorações do seu Jubileu de Ouro Sacerdotal, foi inaugurado um busto seu, colocado na Praça Alencastro, centro da Capital.

Intelectual de grande cabedal, inteligente e muito inspirado, D. Aquino deixou escritas inúmeras peças literárias, tanto em prosa quanto em verso, publicadas em diversos periódicos e também consubstanciadas em livros. Grande parte delas, inéditas até o ano de 1985, foram editadas com apoio do Senado Federal, em oito volumes, divididos em  Poética, Pastorais e Discursos.

Mesmo doente, D. Aquino comandou as festividades do Congresso Eucarístico, realizado em Cuiabá, ocasião em que publicou sua última Carta Pastoral, Maria, ou Morte!, pouco antes de seu falecimento, ocorrido aos 22 de março de 1956, em São Paulo, capital. Seu corpo foi transladado para Cuiabá, onde foi enterrado, aos 24 de março, com todas as honras de Chefe de Estado e da Igreja Católica. Seus restos mortais estão sepultados na Catedral Metropolitana de Cuiabá.

 

padre-raimundo-c-pombo-moreira-da-cruz

Padre Raimundo C. Pombo Moreira da Cruz

Biografia

Iniciou os estudos em Cuiabá, junto ao Colégio São Sebastião, optando pelos estudos sacerdotais, cursados no Seminário Episcopal da Conceição, passando em seguida a frequentar o Liceu Salesiano São Gonçalo, onde recebeu o grau de bacharel em Humanidades

Ingressou no Noviciado dos Salesianos de Dom Bosco, também em Cuiabá, em 1902, e no ano seguinte recebeu os votos religiosos na Congregação Salesiana. Em 1904, seguiu para Roma onde cursou Filosofia e em seguida matriculou-se, simultaneamente, na Universidade Gregoriana e na Academia São Tomás de Aquino, por onde se doutorou em Teologia, no ano de 1908. Em 17 de janeiro de 1909, já tendo recebido todas as Ordens Menores e Maiores, foi ordenado presbítero salesiano e dedicou-se à religião, ao ensino e às artes literárias e teatrais.

Seu envolvimento na política ocorreu no ano de 1982, quando foi encorajado a disputar o cargo de governador do Estado, sem obter êxito, mesmo tendo sido bem votado.

Sua vida foi dedicada à educação da juventude, daí um significativo número de peças teatrais pedagógicas, encenadas durante as festividades religiosas e cívicas organizadas pelos salesianos, com destaque para O Princípio Operário (ou a vida de São José); O último pelotão, drama em cinco atos; A múmia de Tibiriçá, comédia em três atos; os artigos: Oração à Pátria, em 1944, Última Prece, em 1961; O Nome Cuiabá, em 1989.

Faleceu aos 30 de julho de 1996, tendo sido velado no Colégio Patronato Santo Antônio, em Cuiabá-MT. O acadêmico Satyro Bnedicto de Oliveira proferiu, em nome da Academia Mato-Grossense de Letras, oração fúnebre em sua homenagem.

 

man

Firmo Pinto Duarte Filho

Biografia

Filho caçula do casal Firmo Pinto Duarte (telegrafista) e Maria Dimpina Lobo Duarte (professora), nasceu na cidade de Cáceres-MT, aos 16 de janeiro de 1928. Quando contava apenas três meses de idade, a família se mudou para Cuiabá, tendo o futuro Padre Firmo frequentado o Asilo Santa Rita, onde concluiu o ensino fundamental, e o Liceu São Gonçalo, onde cursou o médio.

Entre os anos de 1930 e 1933, a família foi residir em Tachos/Meruri, onde o jovem Firmo teve oportunidade de conviver com as nações indígenas da região, vislumbrando o importante trabalho que a Igreja católica poderia ali realizar.

Foi aspirante no Seminário Nossa Senhora da Conceição, desde julho de 1944. Encerrado o Ginásio, foi para o noviciado em Campo Grande, Instituto São Vicente - Lagoa da Cruz, no final de janeiro de 1945. No dia 31 de janeiro de 1946, na Chácara S. Vicente, fez a primeira profissão religiosa na Congregação Salesiana, Sociedade de S. Francisco de Sales. Em seguida foi para Lorena-SP, onde terminou o colegial e cursou Filosofia. Em 1948-1949 foi assistente, em Campo Grande, no Colégio D. Bosco; em 1950 ocupou o mesmo cargo junto ao Colégio Santa Teresa, de Corumbá, encerrando seu tempo de assistência no colégio de Guiratinga, em 1951.

No ano de 1952 iniciou os estudos de Teologia no Instituto Teológico da Lapa-SP. Ao final dos quatro anos foi ordenado sacerdote, por seu padrinho de batismo, o Arcebispo Dom Francisco de Aquino Corrêa, no dia 8 de dezembro de 1955, na Catedral Metropolitana de Cuiabá.

Depois de sacerdote, iniciou um período de nove anos de trabalho em colégios de Araçatuba, Lins, Lucélia e Campo Grande. Nesse último, permaneceu a maior parte desses nove anos. Entre 1974 e 1983, foi diretor da Comunidade Salesiana em Barra do Garças. Nesse período implementou um projeto primado por uma nova e dinâmica pedagogia, especialmente voltada para as comunidades indígenas missionadas no Sangradouro, em Merure e São Marcos.

De volta a Cuiabá, assumiu a direção espiritual do movimento católico intitulado Renovação Carismática Católica, junto à Arquidiocese de Cuiabá, assim como dirigiu espiritualmente o movimento de Cursilhos de Cristandade de Cuiabá, atuando também como diretor da Missão Salesiana em Mato Grosso.

Faleceu em Cuiabá-MT, no dia 9 de fevereiro de 2005.

Bibliografia

Escreveu, além das peças teatrais, os livros:

  • Mulher – a Intercessora; e
  • Falcãozinho

dentre outros textos.



 

 

lucinda-nogueira-persona

Lucinda Nogueira Persona

Biografia

Local de nascimento: Arapongas, Paraná. Em 11-03-1947.
Filiação: Simeão Nogueira e Maria de Souza Nogueira.
Estado Civil: casada.
Nome do cônjuge: Walter Persona.

FORMAÇÃO ACADÊMICA

Graduação: Biologia (Universidade Federal de Mato Grosso – 1970).
Especialização em Política Educacional e Legislação do Ensino (UFMT, 1977).
Aperfeiçoamento em Técnicas Histológicas e Histoquímicas Básicas (Universidade do Chile, 1980).
Mestrado em Histologia e Embriologia (Universidade Federal do Rio de Janeiro – 1981).

 

EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL

Professora em Escolas de I e II Graus (1970/1971/1972).

Professora Adjunto IV – Instituto de Biociências UFMT – Aposentada por tempo de serviço - Port.GR 088/94 UFMT.

Membro do Conselho Editorial da Editora da Universidade Federal de Mato Grosso (biênio 97/99).

Professora: Universidade de Cuiabá (UNIC). Disciplinas: Ciências Morfofuncionais I, II, III, IV e V (curso de Medicina Veterinária); Ciências Morfofuncionais I (curso de Medicina, Enfermagem, Nutrição, Fisioterapia, Farmácia e Bioquímica, Odontologia): de 1999 a 2014.

Outros Cursos ministrados/Especialização:
-ANTROPOSSEMIOSE: O DESVELAR DO SIGNO DA VIDA. 1995. (UFMT)
-FORMAÇÃO DE PROFESSORES E ASSESSORES DO PROGRAMA DE ACELERAÇÃO DE APRENDIZAGEM. 1997. (UNIC)
-EMBRIOLOGIA ORAL - CURSO DE PERIODONTIA. 2003. (ABO-MT).

 

Apresentações de Trabalho:
PERSONA, Lucinda Nogueira. 'Mulheres, poética e região' (mesa-redonda). Cuiabá-MT, 2001.
PERSONA, Lucinda Nogueira. 4º Colóquio Internacional de Letras (talk show). Tangará da Serra-MT, 2014.

 

PRÊMIOS E TÍTULOS

2013: Ordem do Mérito Mato Grosso (no grau de Cavaleiro), Governo do Estado de Mato Grosso.
2010: Medalha 40 anos UFMT - Educação e Cidadania. Universidade Federal de Mato Grosso.
2008: Homenagem Autores Cuiabanos, Colégio Master Júnior - Cuiabá, MT.
2007: Moção de Louvor (pelos 06 anos de fundação da BPW), Assembleia Legislativa de Mato Grosso.
2007: Honra ao Mérito BPW, Associação de Mulheres de Negócios e Profissionais BPW Cuiabá-MT.
2006: Diploma de Sócia Correspondente da Academia Literária Feminina do Rio Grande do Sul, ALFRS.
2006: Título de Cidadã Cuiabana, Câmara Municipal de Cuiabá - Estado de Mato Grosso.
2001: Prêmio Cecília Meireles para o livro Sopa Escaldante, União Brasileira de Escritores (UBE).
2000: Menção Honrosa, XIX Congresso Brasileiro de Anatomia, IX Congresso Luso-Brasileiro de Anatomia.
1997: Prêmio Especial do Júri - concurso Cecília Meireles para o livro Por imenso gosto, União Brasileira de Escritores (UBE).
1993: Prêmio Literário Primeiro lugar em Crônicas, Fundação de Cultura e Turismo de Mato Grosso.
1988: Prêmio Literário Autor Mato-grossense-Poesia, Fundação de Cultura e Turismo de Mato Grosso.

 

PARTICIPAÇÃO EM BANCAS DE COMISSÕES JULGADORAS

PERSONA, Lucinda Nogueira. Prêmio Literário Portugal Telecom 2012 (Júri inicial). 2012. Portugal Telecom.

PERSONA, Lucinda Nogueira; COCCO, M. H.; REIS, C. M. D. R.; MATTOS, A.. Concurso Literário "Prof. Sérgio Dalate": contos e poemas. 2010. Universidade Federal de Mato Grosso.

PERSONA, Lucinda Nogueira; Nadaf, Y.J.; Scaff. I. C.. Concurso "Casos lembrados, casos contados II" (destinado às pessoas com idade igual ou acima de 60 anos). 2008.

PERSONA, Lucinda Nogueira; Nadaf, Y.J.; Scaff. I. C.. Concurso "Casos lembrados, casos contados" (destinado às pessoas com idade igual ou acima de 60 anos). 2006.

PERSONA, Lucinda Nogueira. I Concurso de Poesias (Júri). 2000. Serviço Social do Comércio.

 

OBRAS DA AUTORA

Livro/Poesia:
Por imenso gosto. São Paulo: Massao Ohno Editor, 1995, 88 p.
Ser cotidiano. Rio de Janeiro: 7Letras, 1998, 60 p.
Sopa Escaldante. Rio de Janeiro: 7Letras, 2001, 91 p.
Leito de Acaso. Rio de Janeiro: 7Letras, 2004, 88 p.
Tempo comum. Rio de Janeiro: 7Letras, 2009, 72 p.

Livro/Infanto-juvenil:
Ele era de outro mundo. Cuiabá: Tempo Presente, 1997, 26 p.
A cidade sem sol. Rio de Janeiro: Razão Cultural, 2000, 46p.

Participação em Antologia de poesia:
Roteiro da poesia brasileira: Anos 90/ [Seleção e prefácio Paulo Ferraz; direção Edla van Steen]. – São Paulo: Global, 2011. – (Coleção Roteiro da Poesia Brasileira).

Participação em Antologia de conto:
Na margem esquerda do rio: contos de fim de século, organizada por Juliano Moreno e Mário Cezar Silva Leite. Contos. São Paulo: Via Lettera, 2002.

Fragmentos da alma mato-grossense, organizada por Maria Teresa Carrión Carracedo. Poemas e Contos. Cuiabá: Entrelinhas, 2003.

Cada canto tem seu conto, organizada por Marilu Linz Flygare e Helena Ferreira. Contos. Rio de Janeiro: Sobreletras, 2004.

 

Participação em Revista de Poesia

Poesia Sempre – Ano 9, n. 14 (ago. 2001). Rio de Janeiro: Fundação Biblioteca Nacional, Departamento Nacional do Livro, 2001.
Lado 7 – n. 4 (out. 2012). Rio de Janeiro: 7Letras, 2012.

Participação em Revista de Literatura

 

Revista Letras Mil, Cuiabá, MT, v.1, n.1, jul. 2011. Disponível em: www.revistaletrasmil.com

Biobibliografia/Verbete da autora:

  1. Dicionário de Mulheres, organizado por Hilda Agnes Hübner Flores. Porto Alegre: Nova Dimensão, 1999. 576 p.
  2. Enciclopédia de Literatura Brasileira/ Afrânio Coutinho. J. Galante de Sousa – 2ª ed. rev. ampl. Atual. E il. Sob a coordenação de Graça Coutinho e Rita Moutinho. São Paulo: Global Editora; Rio de Janeiro, RJ: Fundação Biblioteca Nacional/DNL; Academia Brasileira de Letras. 2001.
  3. Dicionário Crítico de Escritoras Brasileiras: (1711-2001) / Nelly Novaes Coelho. São Paulo: Escrituras Editora, 2002.
  4. Dicionário de Mulheres. 2.ed. / Hilda Agnes Hubner Flores. Florianópolis: Editora Mulheres, 2011. 800 p.: il.

Textos em jornais de notícias/revistas:

PERSONA, Lucinda Nogueira. UM ANO DEPOIS. A Gazeta, Cuiabá,MT, p. 2A, 11 ago. 2014.
PERSONA, Lucinda Nogueira. MARTA E OS CANTOS PARA ATRAVESSAR UM DIA. Diário de Cuiabá, Cuiabá, MT, p. E5, 11 mar. 2012.
PERSONA, Lucinda Nogueira. A POESIA QUE VEM DO CERRADO. Folha do Estado, Cuiabá, p. 3, 19 dez. 2011.
PERSONA, Lucinda Nogueira. BEM-VINDO O TEMPO PARA OUTROS TEMPOS. Diário de Cuiabá, Cuiabá, MT, p. E3, 05 dez. 2011.
PERSONA, Lucinda Nogueira. UMA POESIA NAS DIMENSÕES DO CORAÇÃO. Diário de Cuiabá, Cuiabá, MT, p. E7, 29 maio 2011.
PERSONA, Lucinda Nogueira. RIBAMAR: PARA VIVER, LEMBRAR E ESCREVER. Diário de Cuiabá, Cuiabá, p. E3, 06 dez. 2010.
PERSONA, Lucinda Nogueira. VISÕES E TRAVESSURAS DE MENINO. Folha do Estado, Cuiabá, p. 4, 30 maio 2010.
PERSONA, Lucinda Nogueira. O UNIVERSO REALISTA DE LUCIENE CARVALHO. Folha do Estado, Cuiabá/MT, p. 2A, 20 jul. 2008.
PERSONA, Lucinda Nogueira. COCCO: A GÊNESE DA PUREZA. Folha do Estado, Cuiabá/ MT, p. 2A, 22 jun. 2008.
PERSONA, Lucinda Nogueira. VISÕES DA REALIDADE. Diário de Cuiabá, Cuiabá, MT, p. E3, 29 ago. 2006.
PERSONA, Lucinda Nogueira. AS COISAS DESPERCEBIDAS. Diário de Cuiabá, Cuiabá, MT, p. D1, 10 jan. 2005.

Entrevistas:

Botelho, M.; PERSONA, Lucinda Nogueira. O SER COTIDIANO DE LUCINDA PERSONA (entrevista a Miriam Botelho). Diário de Cuiabá, Cuiabá, MT, p. C1 - C1, 17 dez. 1998.
Falcão, L; PERSONA, Lucinda Nogueira. NOVOS VERSOS DE LUCINDA (entrevista a Lorenzo Falcão). Diário de Cuiabá, Cuiabá, MT, p. E1 - E1, 27 set. 2009.

Outras produções bibliográficas:

PERSONA, Lucinda Nogueira. Orelha do livro 'São tantas as luas'. São Paulo, 2009.
PERSONA, Lucinda Nogueira. Tereza Albues: a apaixonada cosmovisão. Cuiabá, 2008.
PERSONA, Lucinda Nogueira. Apresentação do livro 'Tudo o que o amor toca está salvo'. Marialva, PR, 2007.
PERSONA, Lucinda Nogueira. Apresentação do 'Guia gastronômico da Baixada Cuiabana'. Cuiabá, MT, 2004.
PERSONA, Lucinda Nogueira. Inventário de sonhos (apresentação em catálogo de artes plásticas). Cuiabá - MT, 2004.
PERSONA, Lucinda Nogueira. Quarta capa do livro 'O aprendiz'. Cuiabá - MT, 2002.
PERSONA, Lucinda Nogueira. Os 'meios' de Marta Helena Cocco. Cuiabá, MT, 2001.
PERSONA, Lucinda Nogueira. Segmento (apresentação em catálogo de artes plásticas). Cuiabá - MT, 2001.

 

FORTUNA CRÍTICA

NAVEIRA, RAQUEL. A cidade sem sol, de Lucinda Nogueira Persona. Correio do Estado (Caderno B). Campo Grande, MS, 13 mai. 2000, p. 7.

CASTELLO, JOSÉ. Caderno de Notas (4). Rascunho (Enc. do Jornal do Estado). Curitiba, ano 3, no 32, dez. 2002.

COCCO, MARTA HELENA. “Uma sopa para comer com garfo e faca”. Prosavirtual (www.ufmt.br/prosavirtual) Cuiabá, ago. 2002.

NADAF, YASMIN JAMIL. Literatura Mato-grossense de autoria feminina – séculos XIX e XX. Seminário Nacional Mulher e Literatura (6: 1995: Rio de Janeiro) Anais.

SILVA, VERANILDES. A significação dos espaços na poesia de Lucinda Nogueira Persona. (Monografia-Graduação). Cuiabá-MT: UFMT, março, 2003.

REIS, CÉLIA M. D. da ROCHA. A voz premiada de Lucinda Nogueira Persona. IV Seminário de Linguagens – Mestiçagens culturais. UFMT, Cuiabá-MT. 5-7 nov. 2003. Caderno de Resumos, p88.

COCCO, MARTA HELENA. Do cerrado ao coração: fronteiras esfumaçadas na poesia de Lucinda Persona. IV Seminário de Linguagens – Mestiçagens culturais. UFMT, Cuiabá-MT. 5-7 nov. 2003. Caderno de Resumos, p92.

ARABI, SORAIA LIMA. Lucinda Persona: intimismo e universalidade em sopa escaldante. IV Seminário de Linguagens – Mestiçagens culturais. UFMT, Cuiabá-MT. 5-7 nov. 2003. Caderno de Resumos, p93.

REIS, CÉLIA M. D. da R. Uma poesia chamada Persona. Revista do Instituto de Linguagem ECOS, 2: 20-36, jul. 2004.

CASTELLO, JOSÉ. Um novo horizonte no gosto pelas miudezas. O Estado de São Paulo (Caderno 2/Cultura), São Paulo-SP, 27 fev., 2005, p. D5.

COCCO, MARTA HELENA. Culinária poética em Lucinda Persona: um banquete de imagens. In: Mapas da Mina: estudos de Literatura em Mato Grosso/Mário Cezar Silva Leite, (org.). Cuiabá: Cathedral Publicações, 2005.

CASTELLO, JOSÉ. O laboratório de Lucinda. O Globo (Prosa & Verso). Rio de Janeiro-RJ, 25 jul., 2009, p. 4.

SILVA, Veranildes. Lucinda Nogueira Persona: Imaginário Poético. Cuiabá, MT: Dissertação de Mestrado/UFMT, 2009.

MORAES, Renato Cardoso de. Poesia em tela: Lucinda Persona. Cuiabá, MT: Dissertação de Mestrado/UFMT, 2010.

COCCO, MARTA HELENA. Um narrador sob o disfarce do tempo em “Vovô morrerá hoje” de Lucinda Persona. In: Tópicos de Leitura: literatura & contexto / Luzia A. Oliva dos Santos (org.). – Cuiabá, MT: Edição da Organizadora, 2011.

COCCO, MARTA HELENA. A poética de Lucinda Persona na modernidade contemporânea: reclusão doméstica como resistência. XIV Seminário Nacional – V Seminário Internacional Mulher e Literatura. Mesa redonda: Literatura Feminina em Mato Grosso. UNB, Brasília, DF, Brasil. 4, 5 e 6 ago, 2011.

COCCO, Marta Helena. “Poesia e mitocrítica: sob a tirania da finitude, a pulsão da vida na palavra poética de Lucinda Persona”. Goiânia: Tese Doutorado/UFGO, 2012. Mimeo.

WALKER, Marli. “Entre vários amores: três séculos de poesia feminina em Mato Grosso”. Brasília: Tese de Doutorado-UnB, 2013.Mimeo.

ROLON, Renata Beatriz B. No fundo do mato virgem nasceu uma literatura: história e análise de obras direcionadas para crianças e jovens em Mato Grosso. São Paulo: Tese de Doutorado/USP, 2014 (mimeo.)

Últimas Fotos

Show de Samba na Varanda da AML
A Academia Mato-grossense de Letras recebeu mais de 300 convidados para o show de música popular brasileira.

 

Novos Acadêmicos
Jantar em comemoração a eleição dos quatro novos acadêmicos que assumirão as cadeiras vagas da AML.

titulo historia em imagens

jose-de-mesquita

José de Mesquita

Esse é José de Mesquita, fundador da Academia Mato-Grossenses de Letras. Mesquita era filho do jurista, abolicionista de mesmo nome. Foi desembargador e dirigiu o Tribunal de Mato Grosso por 10 anos, assim como a própria AML por 40 anos. Com uma produção surpreendente, correspondeu-se com outras instituições culturais e academias de letras pelo Brasil.

blog-pedro-juca